Delação revela que Dilma acabou com corrupção em Furnas, operada por Aécio e Cunha

Uma pena que os midiotas não vão saber disso. Avante Brasil, vamos acabar com o monpólio das comunicações, esta é a chave da mudança!

Brasil Página 1 - Mostrando o que você precisa ver

size_810_16_9_dilma

Um trecho da delação do senador Delcídio Amaral aponta que a presidente Dilma Rousseff estancou um duto de corrupção na estatal Furnas, que seria operador pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG) e pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

As propinas teriam sido comandadas pelo ex-diretor de Engenharia da empresa Dimas Toledo, e beneficiado “sem dúvida” o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o ex-presidente do PP, José Janene, bem como o PT, segundo o Delcídio.

trecho-delação

Ele afirma que o “esquema de Furnas… era grande”, o que fazia da companhia “a joia da coroa da Eletrobras, sendo a mais cobiçada pelos partidos”. E que foi freado em 2011, quando o engenheiro Flávio Decat, considerado de perfil técnico, assumiu a presidência de Furnas, cargo que ainda ocupa.

“Esta mudança na diretoria de Furnas foi o início do enfrentamento de Dilma Rousseff com (o presidente da Câmara) Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pois este ficou contrariado com a…

Ver o post original 38 mais palavras

Pesquisa do Datafolha explica a urgência de caçar Lula já

#Lula2018! #RequiãoVice #CiroCasaCivil #JandiraCâmara #DilmaFica #RespeitaMeuVoto

bloglimpinhoecheiroso

Lula_Blogueiros10_2014

O golpe está na rua. Lula preso é a resposta do conservadorismo ao povo que, no Datafolha desta semana, apontou-o como “o melhor presidente da história”.

Saul Leblon, via Carta Maior em 3/3/2016

O espectro de um Lula eleitoralmente competitivo, que assombra os dias e atormenta as noites do conservadorismo, ganhou números sugestivos esta semana.

E são eles que explicam a sofreguidão conservadora nas últimas horas, a uivar pela única forma segura de afastar o perigo de vez: deter Lula de uma vez por todas.

A pesquisa mais recente do Datafolha, divulgada esta semana, espeta em torno do ex-presidente e de sua liderança três percentuais cuja sedimentação definirá o futuro eleitoral do ex-presidente e o do projeto de restauração neoliberal no Brasil.

Desde 2005/2006 sob fogo cerrado do conservadorismo e, a partir de outubro de 2014, diuturnamente caçado pela República de Curitiba – que abastece a mídia de suposições e…

Ver o post original 792 mais palavras